7 brincadeiras para se divertir no trânsito com as crianças

Em tempos de tecnologia na palma da mão, equipamos cada vez mais nossos carros com tablets, especialmente para o entretenimento de nossos filhos. Nada contra! Porém, que tal diversificar um pouco os hábitos e experimentar jogos fáceis, divertidos e que, ainda por cima, vão contribuir para o desenvolvimento do neo-córtex do seu filho?

Ao invés de ficarmos bufando no trânsito, podemos transformá-lo numa oportunidade gostosa de diversão em família e aprendizado.

Vamos lá, para além do Fusca Azul! (quem lembra?)

  • “Fui ao mercado e comprei…” – Esse jogo consiste em fazer uma lista de compras utilizando a sequência do alfabeto. O primeiro participante diz: “fui ao mercado e comprei Abacate”, por exemplo. O seguinte deve dizer “fui ao mercado e comprei Bolacha”, e assim sucessivamente até a letra Z . Essa brincadeira permite adaptações de acordo com a idade. Pode ser acumulativa (a cada rodada o participante fala as respostas anteriores e acrescenta a sua ao fim) ou apenas de sucessão (cada participante dá apenas a sua resposta em sua vez), vale a pena considerar a idade dos participantes.
  • PIN! – 1, 2, 3, PIN!, 5, 6, 7, PIN! Clássico dos anos 80, contar pulando os múltiplos (de 4 era o padrão do Domingo no Parque ) e substituindo-os pela palavra PIN! diverte as crianças e também os adultos. Experimente trocar o múltiplo a cada rodada (passar para 5, 6, 10…). Quanto maior o múltiplo mais difícil se torna cumprir a tarefa.
  • “Vou levar na mala” – Um participante é o líder e propõe: “Imaginem que vamos viajar e na bagagem vamos colocar algumas coisas, mas há um critério secreto de “pode” ou “não pode” que deve ser descoberto por vocês. Eu começo dizendo que vou levar na mala…” e já diz um item que esteja dentro do critério secreto. Pode ser tudo com a letra inicial de quem está falando (eu, Suzana, por exemplo, levo sabonete, shampoo, sapatos, sapo, suco, sol…), pode ser com a inicial do jogador anterior ou posterior, com a mesma inicial do que o líder disse (se ele disser que vai levar um abajur, tudo o que começa com A está autorizado na rodada ou no jogo todo), pode ser só bichos, só frutas, só peças de roupa… Essa rende horas e horas de diversão!
  • “Hora do Show” – Quem nunca se divertiu copiando o “Qual é a Música?” do Homem do Baú (ele influenciou a infância da nossa geração, como podemos ver…)? Que tal propor às crianças cantar uma música que contenha a palavra sugerida por outro participante? E não vale repetir!
  • “Era uma vez…” – Vamos construir uma história com elementos que estamos vendo pela janela do carro. Cada um fala uma frase que complementa a fala do outro: “Era uma vez um cachorro. / Era uma vez um cachorro passeando com sua dona. / Era uma vez um cachorro passeando com sua dona na Avenida Rebouças. / Era uma vez um cachorro passeando com sua dona na Avenida Rebouças que atravessou fora da faixa…” e o jogo segue até que alguém esqueça algum detalhe da história.
  • “Quem sou eu?” – Em casa, preparem um envelope ou saquinho com nomes de celebridades, pessoas da família, bichos de estimação, personagens de desenhos… No carro, um participante sorteia um desses nomes e os demais tentam adivinhar quem é, fazendo apenas perguntas que possam ser respondidas com “SIM” ou “NÃO”. Essa pode ser repetida muitas vezes, e não esqueçam de eliminar o nome já sorteado.
  • “Olha a placa!” – O desafio é observar itens das placas dos carros ao redor. Pode ser quantas placas têm uma determinada letra, quantas terminam com um determinado número, quantas não são da sua cidade… Uma variação excelente para as crianças maiores é usar como critério o Estado da placa e dar três dicas aos participantes sobre ele. Por exemplo, se avistou um carro do Rio Grande do Sul, diz-se “frio, churrasco, chimarrão”. Vale até colocar um critério de pontuação, como 3 pontos para quem acertar na primeira dica, 2 na segunda, 1 na terceira.

Atividades assim aproximam pais e filhos, conectando-os com afeto e gerando diversão. Rir uns COM os outros é diferente de rir uns DOS outros. Podem até fazer parte da rotina da família: todos os dias após o jantar, uma vez por semana, na sexta à noite, para marcar o início do final de semana… E também podem ser experimentadas em viagens mais longas como alternativa ao entretenimento individual.

Boas risadas e muita diversão para vocês!

Suzana Nishie é pedagoga, coach infantil, de pais e professores e, principalmente, mãe da Marina.

https://www.facebook.com/pg/coachsuzananishie

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *