Comece 2018 com o bolso em ordem e torne os desejos possíveis

O ano de 2018 acabou de começar e, com ele, inicia-se mais um período de sonhos e objetivos renovados. Para os sonhos materiais, dependemos de dinheiro. E para termos dinheiro, dependemos de organização financeira. Veja a seguir, as primeiras UpDicas de 2018, para ajudar na saúde do seu bolso e ter mais prosperidade no ano!

O básico: gaste menos do que ganha
Embora isto seja totalmente óbvio, muitas vezes essa conta não dá certo simplesmente porque muitas pessoas não sabem o quanto gastam. Por isso mesmo, leia a dica abaixo.

Trabalhe com a ideia de orçamento anual
Por mais metódicos e organizados possamos ser, há meses em que se gasta mais e outros menos. Como janeiro, com a carga de impostos e materiais escolares, por exemplo. Então, trace os gastos por mês, não esquecendo de colocar as despesas sazonais, como o presente de dia das mães, férias de julho e Páscoa. Somente fazendo a somatória anual é que você saberá a média de quanto gasta por mês. Multiplicar por 12 um mês qualquer está errado.

Saiba o que quer, o quanto custa e o quanto deve ser guardado
Depois de definir o orçamento anual de gastos básicos, você terá a noção exata do quanto poderá investir em um sonho. E é este momento que você saberá se seu desejo é maior ou não que seu bolso, e o que poderá fazer para torná-lo possível.

Identifique o “ralo” do seu dinheiro
Incluir um novo objetivo no orçamento, como uma viagem ou um computador novo, implica em enxugar gastos desnecessários, para que tudo não fique muito apertado. A grande dica é fazer uma experiência: durante um mês, anote absolutamente tudo o que gastar. T-u-d-o. Vale excel ou caderninho, a única exigência é ser honesto consigo mesmo. Ao fazer a soma de gastos, você se surpreenderá com o que gasta em cafezinhos, por exemplo. Alguns estudos sugerem que cerca de 25% do dinheiro vai embora nestes trocadinhos.

Viva em paz com seus números
Se você é uma pessoa que tem frio na espinha ao pensar em verificar seu saldo, precisa urgentemente mudar de vida. Não existe vida financeira saudável com “controle de cabeça”, sem conferir extratos e sem saber o quanto se paga de juros por mês.

Débora Monique

Consultora de Organização/Coach de Carreira e Vida Pessoal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *